domingo, 9 de março de 2014

O ÚLTIMO ADEUS

Há décadas que respiro através de ajuda
Me disseram que o destino se apresentava através de um polegar levantado
As pessoas dizem como você supostamente deveria ser
Algo sobre os seus ombros sussurra falsas intenções

Poemas em um pedaço de papel azul tornam o amanhã mais melancólico
Poucas coisas foram deixadas para trás, o que te priva de prosseguir
Algumas razões se encontram com escolhas e tornam-se incoerentes
A lua esmaecida caiu em uma alameda

Todas as estações e suas mentiras
Acho que deixarei meus objetivos para trás
Hoje é o dia em que atravessamos a corda
Falsos profetas guiam os inocentes por uma linha estreita

Segure os sorrisos, pois eles logo se tornarão águas salgadas
Um dia memorável para se lembrar com nostalgia
Então você percebe que os seus problemas estão mais embaixo
Suas palavras se tornaram dura o bastante para sentir milhares de facadas em meu peito

Em uma cabeça abusada a sua autoestima foi levada pela vontade
O rei declama palavras carregadas de ódio.
Um dissimulado maior que o próprio ego.
A inocência da manhã é uma terrível agonia

Consigo ver a felicidade nas celebrações
Eu rezo para que o meu nome mude
É uma falsa simpatia que se transforma em isolamento
Passamos perseguindo os anos em redenção

Por favor, acredite na vergonha da falsa solidão
Movendo a dor de um lado para o outro
Disfarçando o equilíbrio que eu mantinha
A evidência de uma ação mal planejada

Criações de um tolo sem existência
Cheguei ao limite até um anjo com uma harpa
É uma forma latente de lidar com o comum
A sua pretensão o levará para um círculo

Me diga que o amor é um vidro que será quebrado
Colocando as mentiras na mesa
Poucos encontram a verdade que vive atrás
O vento sussurra previsões levianas
É tempo de simplesmente partir!
Sim! E sem se despedir!

Nenhum comentário:

Postar um comentário