segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Sentido da vida


Vejo as pessoas dizerem que a vida deve possuir um sentido. Isso me deixa intrigado de uma forma voraz e irrefutável!
Por que deveria haver algum sentido em erguer-se todos os dias e realizar tarefas metódicas?
O sentido está dentro do que buscamos e temos como planos e expectativas. A natureza se encarrega de nos proporcionar a queda das folhas das árvores no outono; o nascer do sol; o vento que sopra para o norte e toda a beleza e geometria que envolve suas formas.
Em suma, o sentido é relativo, mas tentando aproximar em uma análise mais “popular”, seria nossas escolhas e percepções, enquanto a natureza é uma composição importante em nossas vidas.
Poderíamos avaliar alguns sentidos intrínsecos, ou que abrangem o senso comum, como o amor, liberdade, compaixão, felicidade e generosidade.
O amor envolve gestos simples.
A liberdade se desenvolve através de gestos simples.
A compaixão é composta por gestos simples.
A felicidade se expressa, muitas vezes, em momentos simples.
A generosidade é realizada com gestos simples.

Portanto, o sentido da vida está na simplicidade. Extravagância é excesso. Simplicidade é o bastante para ser essencial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário